Grande Buraco Azul – Great Blue Hole

Great_Blue_HoleFoto Wikipedia http://en.wikipedia.org/wiki/File:Great_Blue_Hole.jpg

Photo by Karla Brunet/ErranteUm dos grades motivos de  visitar Belize era conhecer o famoso Great Blue Hole (Grande Buraco Azul). Sempre tive uma fascinação por estes espaços estranhos criados pela natureza e, um círculo gigantesco no meio do mar do Caribe, seduz qualquer um.

Situado no Atol de Recifes Lighthouse, o diâmetro deste grande buraco é de 300m e a profundidade é de 124 metros. O mergulho é para mergulhadores experientes, temos que baixar a 40 metros em poucos minutos para poder aproveitar a paisagem lá embaixo. Se você demora para equalizar e não consegue descer na rapidez necessária, a instrução é voltar, ninguém poderá te esperar pois temos muito pouco tempo de fundo, somente 8 minutos disse nosso divemaster da Frenchie’s Diving, operadora de mergulho com quem fiz o passeio. Ao chegar nos 40 metros de profundidade começamos a ver as formações rochosas, as estalactites e estalagmites como nas cavernas...

Leia Mais... / Read More...

Flores e Tikal

kb_gt13_0819Minha última parada na Guatemala foi Tikal, um grande centro arqueológico da cultura maya. Localizado na região de Petén, no lado leste do país, Tikal fica umas 8 horas de ônibus de Antigua. Como minha passagem pelo país era curta, decidi pegar um vôo da cidade da Guatemala para Flores (40 min.).

Flores, a cidade base para visitar Tikal, é pequena e muito bonita, uma cidade ilha, cheia de turistas, cafés, bares e pousadas. Um clima de férias e viagem relax paira no ar. Em uma hora caminhando dá para contornar toda a ilha/cidade.

kb_gt13_0683Considerado como patrimônio da UNESCO, Tikal fica a um pouco mais de uma hora de ônibus de Flores. Diferente de outros sítios pré-colombianos que visitei como Teotihuacán e Chichén Itzá que eram quentes e de clima seco, Tikal é úmido e muito verde, no meio de uma floresta tropical.

Tikal me impressionou muito pela beleza e exuberância da natureza. Em seu tempo, foi uma das maiores cidades mayas das Américas...

Leia Mais... / Read More...

A chegada na Guatemala – Guate

9109386005_a9635deb08_oA cidade da Guatemala, ou Guate como eles chamam, foi meu ponto de chegada na América Central. Em geral, quando viajo sozinha, evito ficar muito nas grandes cidades, então, tive dois dias por aqui. Nestes dias, a cidade teve sempre uma névoa constante, como se peneirasse o sol, me lembrou um pouco Lima, no Peru.

Guatemala é grande, tem cerca de 4 milhões de pessoas em um país de 15 milhões, ou seja, grande parte da vida do país ocorre aqui. É toda dividida por zonas por números, ruas e avenidas também marcadas por números, por exemplo, fiquei na Zona 13, 15 av. “A” 5-30. Esta forma de nomear a cidade e os bairros me passa uma sensação de que foi planejado, de que teve um plano urbanístico pensado. Difícil de imaginar esta nomenclatura na maioria das cidades brasileiras que crescem de qualquer forma, sem planejamento onde ruas vão surgindo no meio do nada.

Outro ponto que me chamou atenção é o “americanismo”, a começar pelas ruas com números que lembram os Estados Unido...

Leia Mais... / Read More...

Cervejas pelo mundo

Neste post de curiosidades vou colocar uma lista de cervejas que vou tomando pelos países/cidades que viajo. Não sou expert em cerveja, longe disto, não entendo nada. Mas sempre que chego num novo lugar gosto de tomar a bebida local e, em geral, sempre tem uma cerveja que me recomendam.

A ideia de fazer essa lista aconteceu quando fui morar na Espanha e uma das cevejas locais era San Miguel, lembrava que já tinha tomado numa viagem, e não era na América do Sul. Depois de dias matutando com isto na cabeça, lembrei: tinha sido nas Filipinas, em 1997. Então, veio a ideia de guardar os nomes das cervejas pelos países que vou. E a melhor forma de guardar o nome das cervejas é um fotinho… E a lista, uma forma que souvenir dos bom momentos em bares.

Na Guatemala(2013) tomei Gallo e Brahva (a ex-brasileira Brahma).

kb_gt13_0656

Gallo, tomei num restaurante em Antigua

kb_gt13_0566

Brahva Extra, tomei num bar em Antigua

Em Belize(2013) tomei a Lighthouse Lager.

Photo by Karla Brunet/ErranteLightHouse tinha por todo lado, tome...

Leia Mais... / Read More...

Antigua e Pacaya

9114641035_ea75858af4_oMinha vontade de conhecer Antigua era para ver o vulcão Pacaya. Estava no meu imaginário da Guatemala esta pequena cidade colonial rodeada por vulcões ativos. Tinha na cabeça a imagem das casas coloridas e uma montanha triangular no fundo. Infelizmente, foi difícil ver esta imagem, pois estava nublado todos dias que estava na cidade. Lembrava das imagens do vulcão Licancabur que, de todo lado em San Pedro Atacama, eu tentava avistar.

Mesmo sem ver o famoso vulcão Pacaya ao fundo, adorei Antigua. Uma pequena cidade organizada, cheias de cafés acolhedores, atividades culturais, bons restaurantes. Passava o dia caminhando e parando de café em café para ler um pouco. Adoro ler em cafés.

No meu último dia, decidi fazer um trekking pra subir o Pacaya, saímos às 5 da manhã. Ao recorrer todos que iriam ao tour, de longe avistei o vulcão, timidamente aparecendo entre a neblina. Pedi ao motorista da van para dar uma parada para eu fazer uma foto e apreciar a vista...

Leia Mais... / Read More...

Chichicastenango e o lago de Atitlan

9110352881_d0198c5fe4_o

Ao mesmo tempo que achei Guatemala super americanizada, tiro o chapéu para a forma que ainda preservam a cultura e tradição indígena no país. Um grande exemplo disto é a cidade de Chichicastenango, Chichi como dizem por aqui. Portanto, fiz um passeio para conhecer o grande mercado que acontece lá todas as quintas e domingos.

O mercado é super colorido, lembra os mercados de Otavalo (Equador) ou Tarabuco (Bolívia). Vendem de tudo, desde alimentos a artesanato. É um bom lugar para comprar os presentes viagem, tanto na parte de roupas típicas quando objetos de artesanatos. A pechincha é obrigatória, sem pechincha não tem graça. No tour, conheci Claudio, um montanhista Chilenos, com quem caminhei junto pelos corredores coloridos. Um era apoio ao outro na hora da pechincha, fica sempre mais fácil se está com alguém.

Cláudio com a bolsa que comprou para sua irmã, depois de uma tarde de pechincha…

Outra parada do dia foi a igreja de Santo Tomás, uma igreja católica e temp...

Leia Mais... / Read More...

Igatu, Poço Azul e Donana

kb_br13_0953

Um dos lugares que não conhecia da Chapada é Xique-Xique do Igatu, um povoado de garimpeiros perto do parque nacional. Já tinha ouvido falar da famosa estrada que leva a Igatu, toda de pedras, construída pelos próprios garimpeiros. E sim, é impressionante. A palavra Iguatu vem do tupi,  “ig” ou “i”, significa água e “catu”, significa bom/boa e xique-xique é o cactos.

Nossa primeira parada do dia foi no Poço Azul, outra linda caverna com água totalmente transparente que, pela luz que reflete, parece azul. Para apreciar a magia do lugar é importante fazer snorkel, sentir a água e o eco da caverna. Como era feriado de carnaval, havia uma grande espera para o snorkel, resolvemos, então, seguir nossa rota. Eu já tinha experimentado o mergulho em 2007 quando estive pela primeira vez na Chapada.

Em Xique-Xique do Igatu, depois da subida lentamente pela estrada de pedras, visitamos um pequeno centro cultural onde tinha uma exposição de fotografia e esculturas e fomos conhecer a...

Leia Mais... / Read More...

Chapada Diamantina – Roteiro 1

8542668847_ee721a9f89_o

Logo no primeiro dia na Chapada Diamantina resolvi fazer o tour geral pelas redondezas, o Roteiro 1 (Mucugezinho, Poço do Diabo, Gruta da Lapa, Gruta da Pratinha, Gruta Azul, Morro do Pai Inácio), Mel foi nosso guia. A primeira parada foi no Rio Mucugezinho onde fizemos uma pequena trilha para apreciar a paisagem do rio. Logo, seguimos uns 15 minutos até o Poço do Diabo, uma linda cachoeira, lá foi nosso primeiro banho do dia. A água estava fria mas não congelante como eu imaginava estar e, depois da caminhada no sol, era o que precisava. A cachoeira é grande, uma chuveirada de água transparente. Pra ficar embaixo da queda é fácil, mas as pedras escorregam, então, todo cuidado é bom. Quando me aproximei da queda d’água, tinha uma menina sozinha que me perguntou se era perigoso ali embaixo. Disse que não sabia, que ia checar e se não fosse perigoso a levaria comigo...

Leia Mais... / Read More...

Mel – Guia na Chapada Diamantina

Mel foi o guia do Roteiro 1 e no tour a Igatu na Chapada Diamantina (2013). Filho de garimpeiros, Mel nasceu e cresceu na Chapada e, nas horas vagas, ainda garimpa com seus amigos.

Leia Mais... / Read More...

Dairone – Guia do passeio por Marimbus

kb_br13_0989

Com Dairone, nosso guia do passeio por Marimbus.

Dairone nasceu e cresceu na Chapada Diamantina e é um apaixonado por aventura e natureza. Durante o passeio, nos contou um pouco de suas aventuras pela região fazendo motocross e bicicross .

Leia Mais... / Read More...