2002 tagged posts

Aparados da Serra: Itainbezinho, trilha do Rio do Boi e Fortaleza

Com o carro emprestado de minha irmã (Karina) e mais duas amigas Janet (que vinha de São Paulo passar o ano novo no sul) e Cristiana (prima de Santa Maria) fiz uma pequena viagem de 3 dias pelos Aparados da Serra. Começamos por Praia Grande em Santa Catarina, uns 30km de Torres. Deixamos as coisas no hotel e fomos procurar um tour para a trilha do Rio do Boi. Reservamos para o dia seguinte, pois não haviam guias para o mesmo dia. Dirigimos, então, até a entrada do Parque Nacional Aparados da Serra. A estrada não era das melhores, muita pedra solta. Pobre carro novo da Karina. O parque tem uma sede com banheiro e informações turísticas. Fizemos a caminhada para ver o Itaimbezinho, o cânion mais famoso da região. O calor de dezembro era forte mas a caminhada não tão longa, não cansamos. O lugar é lindo, um cânion enorme e várias araucárias ao redor.

O segundo dia foi a trilha do Rio do Boi, eram umas seis horas de caminhada pelo rio...

Leia Mais... / Read More...

Viagem pelo Leste Europeu 2002

leste_europa

Veja abaixo os posts da viagem pelo leste da Europa em 2002


Visualizar Viagens Errante / Errante’s Travels em um mapa maior

Leia Mais... / Read More...

Viagem pela Turquia 2002

6384188769_be56d69e4d_o

Veja os posts da viagem pela Turquia em 2002


Visualizar Viagens Errante / Errante’s Travels em um mapa maior

Leia Mais... / Read More...

Jacaré

Jacaré – Refúgio Caiman, Brasil 2002

Leia Mais... / Read More...

Caiman Refúgio Ecológico


Fiz um passeio (day use) no Refúgio Ecológico Caiman. A grande vantagem é que o grupo era pequeno, uma brasileira, seu marido turco e eu. Começamos por um passeio de canoa para ver jacarés e pássaros. Foi ótimo, pois não tinha o barulho de motor dos barcos convencionais. Podia-se chegar perto dos animais antes que fugissem. Paramos para caminhar um pouco pela mata. Devia ser hora de almoço dos mosquitos, pois estavam com fome. Paramos a canoa na margem do lago onde haviam muitos jacarés, eles nem se moveram, não pareciam interessados em nossa presença. Deviam estar acostumados com turistas.

Depois do almoço, fomos conhecer o projeto da Arara Azul. Saímos em um 4×4 com os biólogos a visitar as árvores onde as araras têm ninhos. Foi interessante para ver o trabalho deles. Nos mostraram as anotações do acompanhamento de cada ave. Todas tinham um nome próprio. Eles sobem na árvore, pegam a arara para examinar, pesar e fazem uma estimativa do dia que começarão a voar...

Leia Mais... / Read More...

Fazenda San Francisco

Fiz um passeio (day use) na fazenda São Francisco. Pela manhã saímos em um caminhão aberto para observar pássaros. Percorremos caminhos na plantação de arroz, uma das maiores da região. Vimos também algumas capivaras e jacarés. Ao final do passeio fizemos uma pequena caminhada pela mata, observamos as marcas de até onde a água chega na época de cheia. Normalmente as chuvas começam no final de novembro mas já estávamos em meados de dezembro e ainda não tinha chovido. Todos reclamavam da falta de chuva. Os únicos felizes com a seca e os dias lindos de sol eram os outros turistas e eu. Voltamos à sede da fazenda para o almoço. Antes de comer, jogamos vôlei na piscina para refrescar. Depois do almoço, sesta nas redes. Vida boa!

Pela tarde o passeio foi de barco. Era vez de ver jacarés e pescar piranha. Quando paramos para pescar, os jacarés se aproximaram do barco. Acho que estavam acostumados a serem alimentados com piranhas...

Leia Mais... / Read More...

Fazenda Baia Grande


Cheguei na fazenda Baia Grande pela manhã e fui recebida por Alexandre, o dono. Ele me mostrou a sede, o estábulo, o pomar, os pássaros… A fazenda está voltada para o turismo rural. Recebe turistas, grande parte estrangeiros, que querem ter uma experiência de vida no campo. Eles dormem na casa da sede. A comida é toda feita em fogão a lenha pelos funcionários da fazenda tentando sempre usar alimentos produzidos por eles mesmos.

Pela manhã caminhei um pouco pela sede e sentei na varanda para conversar com Alexandre. Ao meio dia, chegaram uns turistas holandeses. Comemos a comida típica da região (e do Brasil), arroz, feijão, bife, salada. A sobremesa fez lembrar minha casa: figo em caldas e ambrosia. Descansamos nas redes e à tarde saímos a cavalo.

A cavalgada era para conhecer a fazenda, alimentar o gado, ver a vegetação local. Passamos por uma pequena represa, vimos cabeças de jacaré dentro d’água e uma capivara perto de outra reserva d’água.

Também, vimos pássaro...

Leia Mais... / Read More...

Rio da Prata


A sede do Recanto Ecológico do Rio da Prata fica no município de Jardins, a 54km de Bonito. A viagem era longa para ir de moto-táxi . Por sorte consegui carona com um casal carioca e o filho João. Na sede pegamos o equipamento (roupa de neoprene, botas, máscara e snorkel). Fizemos uma caminhada de uma hora e meia pela mata , contornando o rio. Quase todos os passeios da região têm estas caminhadas, que considero importante pois é quando o guia explica sobre o meio ambiente e dá uma aulinha de consciência ecológica. Vale a pena, pois os lugares são tão bonitos que é preciso preservar.

Chegamos na nascente do Rio Olho D´água onde começamos a flutuação. Voltamos ao ponto de partida pelo rio, sempre seguindo a correnteza. Não precisava nadar nem mexer as pernas, era somente deitar na água e deixar o rio te levasse. O rio era muito limpo e se podia ver uma grande quantidade de peixes, dentre eles os melhores eram os Dourados, que eram enormes, lindos…

Na volta a sede d...

Leia Mais... / Read More...

Arara Azul

Arara Azul – Rio do Peixe , Brasil 2002

Leia Mais... / Read More...

Rio do Peixe

Chegamos no Rio do Peixe pela manhã e fomos recebidos por seu Moacyr, o proprietário da fazenda. Formamos grupos de umas 12 pessoas e saímos caminhando por uma trilha na mata ciliar. A cada momento parávamos para tomar banhos de cachoeira. O lugar era lindo, águas cristalinas e muita vegetação. O final da trilha foi em um buraco no meio das pedras. Subimos pela trilha e pulamos com a queda d’água. Voltamos uma pequena parte pelo rio.

Na volta, na sede da fazenda, seu Moacyr e sua esposa estavam esperando para o almoço com comida típica da região. O que mais gostei foi a “sopa paraguaia” que não é uma sopa, mas sim uma torta de farinha de milho com queijo, uma delícia. Depois do almoço, o descanso foi em redes de couro produzidas nas redondezas.

Pela tarde seguimos uma outra trilha, passando por algumas cachoeiras e terminamos em uma parte do rio onde havia uma carretilha. Ficamos um bom tempo brincando de pular na água...

Leia Mais... / Read More...