comida tagged posts

Sushi com arroz integral

Não tão exótico, mas foi meu primeiro sushi com arroz integral. Adorei!

Leia Mais... / Read More...

Linguini bolonhesa (com carne de canguru)

Leia Mais... / Read More...

Fortaleza


A primeira coisa que fiz em Fortaleza foi passear pela feira de artesanato em Meireles. Começa no final da tarde e, com barraquinhas e turistas, movimenta a noite da praia. Fui para ver redes, camisetas, bonecos, castanhas, cachaças, doces e comi um acarajé com vatapá feito por uma baiana a rigor. Fui caminhando até o Centro Dragão do Mar, um complexo cultural com cinemas, teatro, casa de shows, bares e restaurantes no centro da cidade. O lugar estava lotado, parecia ser das melhores opções para o sábado a noite.

Domingo pela manhã, saí numa caminhada para conhecer as praias. Comecei em Meireles, como era cedo não havia muita gente ainda. Conversei com os vendedores que estavam montando suas barraquinhas. Um vendedor veio conversar comigo porque queria que eu fizesse fotos dele. De Meireles fui, pela orla, até Iracema e centro, onde encontrei com Marcelo que tinha conhecido em Jericoacoara. A idéia era ir até Cumbuco, tinha escutado que a praia era muito bonita...

Leia Mais... / Read More...

Canoa Quebrada


Cheguei em Canoa Quebrada bem cansada, pois havia passado a noite em um ônibus vindo de Jericoacoara e parte da manhã em outro até Canoa. Comi algo na cidade e fui para o hotel colocar biquini, quando não resisti a cama e dormi algumas horas.

Pela tarde, fui a praia, caminhei um pouco e voltei para sentar numa barraca, comer peixe, tomar sucos e entrar no mar. Ali todos pareciam relaxados, uns conversando, outros lendo, dormindo ou tomando banho de sol. Para mim foi maravilhoso, estava cansada, pois fazia dias que caminhava muito e meu joelho sempre doía. Era ótimo descansar um pouco e estar a volta de pessoas descansadas…

Pela noite, caminhei um pouco pela cidade buscando um lugar para jantar. Todos pareciam agradável, o que tornou a escolha difícil. Acabei comendo comida italiana já que na praia tem muitos italianos (turistas e moradores), ou seja, uma grande possibilidade da comida ser boa. Massa com frutos do mar, estava uma delícia...

Leia Mais... / Read More...

Natal

Cheguei em Natal já tarde da noite e agendei um passeio de buggy para o dia seguinte. O passeio no litoral norte fiz com um casal pernambucano que estava viajando em lua de mel, Juliana e Leonardo.

O guia, Jean, levou-nos, primeiramente, às dunas móveis de Genipabu. Era como montanha russa, subíamos e baixamos super rápido nos paredões da dunas. Parecia que a qualquer momento iríamos virar. Aqui eles sempre perguntam se querem o passeio com emoção ou sem. A diferença é que, com emoção, se vai mais rápido e mais alto, ativando a adrenalina. O outro é mais comportado, mas dá um medinho também.

Paramos nas dunas de Genipabu para apreciar a lagoa e a praia. Leonardo aproveitou para dar uma volta num dromedário. Dali fomos em direção norte pela praia, paramos para um banho de mar e seguimos até a lagoa de Pitangui. É uma lagoa de água doce para tirar o sal do mar e descansar um pouco na sombra...

Leia Mais... / Read More...

Saída em bicicleta Cervera – Bellpuig – Lleida


Saímos de Barcelona pela manhã em uma viagem de trem de duas horas até Cervera onde encontramos com outras pessoas do grupo e Lluis que organizava o passeio. Começamos conhecendo a pequena cidade, um interessante centro histórico com ruas estreitas.  O que mais gostei foi a ruas das bruxas, que tem túneis pelas casas.

De Cervera seguimos a Bellpuig pela parte catalana do antigo caminho de Sant Jaume de Montserrat a Santiago. Foi uma viagem agradável pois todo o trajeto era plano e podia-se ir tranquilamente apreciando a paisagem. Passamos por alguns povoados e paramos para fazer piquenique ao lado de uns canais de irrigação. Era bonito pois pareciam pequenos rios.

Em Bellpuig, dormimos num albergue do município (bem limpo e organizado). Na janta foi a vez de eu provar os caracóis, comida típica desta região. A sensação é horrível, com um palito ter que tirar o bicho nojento de dentro da carcaça e comer...

Leia Mais... / Read More...

Fazenda Baia Grande


Cheguei na fazenda Baia Grande pela manhã e fui recebida por Alexandre, o dono. Ele me mostrou a sede, o estábulo, o pomar, os pássaros… A fazenda está voltada para o turismo rural. Recebe turistas, grande parte estrangeiros, que querem ter uma experiência de vida no campo. Eles dormem na casa da sede. A comida é toda feita em fogão a lenha pelos funcionários da fazenda tentando sempre usar alimentos produzidos por eles mesmos.

Pela manhã caminhei um pouco pela sede e sentei na varanda para conversar com Alexandre. Ao meio dia, chegaram uns turistas holandeses. Comemos a comida típica da região (e do Brasil), arroz, feijão, bife, salada. A sobremesa fez lembrar minha casa: figo em caldas e ambrosia. Descansamos nas redes e à tarde saímos a cavalo.

A cavalgada era para conhecer a fazenda, alimentar o gado, ver a vegetação local. Passamos por uma pequena represa, vimos cabeças de jacaré dentro d’água e uma capivara perto de outra reserva d’água.

Também, vimos pássaro...

Leia Mais... / Read More...

Rio da Prata


A sede do Recanto Ecológico do Rio da Prata fica no município de Jardins, a 54km de Bonito. A viagem era longa para ir de moto-táxi . Por sorte consegui carona com um casal carioca e o filho João. Na sede pegamos o equipamento (roupa de neoprene, botas, máscara e snorkel). Fizemos uma caminhada de uma hora e meia pela mata , contornando o rio. Quase todos os passeios da região têm estas caminhadas, que considero importante pois é quando o guia explica sobre o meio ambiente e dá uma aulinha de consciência ecológica. Vale a pena, pois os lugares são tão bonitos que é preciso preservar.

Chegamos na nascente do Rio Olho D´água onde começamos a flutuação. Voltamos ao ponto de partida pelo rio, sempre seguindo a correnteza. Não precisava nadar nem mexer as pernas, era somente deitar na água e deixar o rio te levasse. O rio era muito limpo e se podia ver uma grande quantidade de peixes, dentre eles os melhores eram os Dourados, que eram enormes, lindos…

Na volta a sede d...

Leia Mais... / Read More...

Rio do Peixe

Chegamos no Rio do Peixe pela manhã e fomos recebidos por seu Moacyr, o proprietário da fazenda. Formamos grupos de umas 12 pessoas e saímos caminhando por uma trilha na mata ciliar. A cada momento parávamos para tomar banhos de cachoeira. O lugar era lindo, águas cristalinas e muita vegetação. O final da trilha foi em um buraco no meio das pedras. Subimos pela trilha e pulamos com a queda d’água. Voltamos uma pequena parte pelo rio.

Na volta, na sede da fazenda, seu Moacyr e sua esposa estavam esperando para o almoço com comida típica da região. O que mais gostei foi a “sopa paraguaia” que não é uma sopa, mas sim uma torta de farinha de milho com queijo, uma delícia. Depois do almoço, o descanso foi em redes de couro produzidas nas redondezas.

Pela tarde seguimos uma outra trilha, passando por algumas cachoeiras e terminamos em uma parte do rio onde havia uma carretilha. Ficamos um bom tempo brincando de pular na água...

Leia Mais... / Read More...

Viena e arredores

viena
Decidi ir a Viena para visitar uma prima, Lúcia, que está fazendo pós-doutorado. Na chegada, ela me sugeriu o passeio do dia seguinte, ir em bicicleta pelos pequenos povoados perto de Viena. Parecia que tinha lido meus pensamentos, estava cansada de cidade, de gente, de monumentos, de museus, seria maravilhoso passar um dia andando de bicicleta perto da natureza.

De Viena pegamos um trem até Tulln onde encontramos com suas colegas de trabalho e pegamos as bicicletas. De lá fomos em trem até Melk. Pedalamos até Spitz onde paramos para almoçar. Depois seguimos a Krems, passamos por pequenas vilas, por vinheiros, por árvores de maçã, ameixa, damasco… No caminho paramos em Dürstein para apreciar a paisagem. Terminamos o passeio em Hadersdorf, num Heuriger, onde tomamos um vinho local. Foi incrível ver como eles estão preparados para ciclismo. Há estradas de bicicleta por toda Áustria...

Leia Mais... / Read More...