Categoria / Category Leste Europeu 2002

Viagem pelo Leste Europeu 2002

leste_europa

Veja abaixo os posts da viagem pelo leste da Europa em 2002


Visualizar Viagens Errante / Errante’s Travels em um mapa maior

Leia Mais... / Read More...

Budapeste

Cheguei na estação de trem no final da tarde, parecia chegando no centro de São Paulo. Desci na parte subterrânea para tentar trocar dinheiro. O lugar era sujo, vendedores ambulantes, muita gente com pressa, outros com cara de suspeitos observando. A polícia estava um pouco ativa, acho que tinha acontecido algum roubo momentos antes, pois estavam caminhando de um lado para outro, inquietos. Fui para o albergue mais perto que encontrei. Era um pouco bagunçado e sujo. Estava cansada para tentar encontrar outro lugar.

O dia seguinte estava nublado e chuviscando. Caminhei por quase toda a cidade, umas 6 horas. Comecei dando uma volta por “Pest”, a basílica, centro comercial, atravessei a ponte e caminhei no lado “Buda” contornando o rio. Depois, visitei alguns banhos turcos. A cidade me pareceu muito bonita mas apagada, suja. Faltava um certo brilho, talvez pelo fato de estar um dia bem cinza...

Leia Mais... / Read More...

Bratislava

A visita a Bratislava foi rápida, somente dois dias mas já pude ter uma noção do lugar. Gostei pois não haviam tantos turistas. O centro antigo é pequeno, cheio de restaurantes e bares. Caminhei pelas pequenas ruas, mas os dias estavam nublados, não pude fotografar muito. Ao mesmo tempo, achei as pessoas hospitaleiras. Falavam sorrindo, parecia que estavam satisfeitas com os turistas. Um dia não tinha moeda para pagar o trem e uma garota pagou para mim, não quis aceitar meu dinheiro.

Ao lado do Danúbio está o antigo castelo. É bem mais modesto que o de Praga mas se tem uma ótima vista da cidade. Aqui sim pude ter uma idéia da Eslováquia comunista. Do alto do morro onde fica o castelo se pode ver quase toda a cidade. Dá para “apreciar” os edifícios todos iguais do outro lado do rio. São muitos, vários retângulos iguais, parecem até de brinquedo pelo simetrismo.

Fiquei pouco tempo mas gostei da cidade. Parece que deu para sentir um pouco o lugar...

Leia Mais... / Read More...

Viena e arredores

viena
Decidi ir a Viena para visitar uma prima, Lúcia, que está fazendo pós-doutorado. Na chegada, ela me sugeriu o passeio do dia seguinte, ir em bicicleta pelos pequenos povoados perto de Viena. Parecia que tinha lido meus pensamentos, estava cansada de cidade, de gente, de monumentos, de museus, seria maravilhoso passar um dia andando de bicicleta perto da natureza.

De Viena pegamos um trem até Tulln onde encontramos com suas colegas de trabalho e pegamos as bicicletas. De lá fomos em trem até Melk. Pedalamos até Spitz onde paramos para almoçar. Depois seguimos a Krems, passamos por pequenas vilas, por vinheiros, por árvores de maçã, ameixa, damasco… No caminho paramos em Dürstein para apreciar a paisagem. Terminamos o passeio em Hadersdorf, num Heuriger, onde tomamos um vinho local. Foi incrível ver como eles estão preparados para ciclismo. Há estradas de bicicleta por toda Áustria...

Leia Mais... / Read More...

Praga

praga
A minha visita a Praga foi um pouco decepcionante. Tinha ouvido muitas histórias de amigos que visitaram a cidade anos atrás. Já na chegada na estação de trem vi que a cidade tinha mudado, as placas estavam todas em checo e inglês: já estavam preparados para o turismo.

Nos três dias que passei na cidade me impressionou o número de turistas, eram ônibus e mais ônibus de turismo. Caminhando pela cidade todo o tempo encontrava com grupos enormes de japoneses, americanos, italianos, espanhóis e brasileiros. Havia horas que se via mais de duzentas pessoas na frente do relógio astronômico.

Quase todos os restaurantes tinha o cardápio em inglês e checo, alguns até em 4 ou 5 idiomas. Os preços também eram diferentes para turistas. Caminhar pelas ruas do castelo também estava claustrofóbico, grupos de turistas por toda a parte. Acho que é um dos lugares mais turísticos que visitei em minha vida, e já viajei por uns 30 países...

Leia Mais... / Read More...

Berlim

A chegada em Berlim foi ótima, já no primeiro dia encontrei um amigo, Pepe, e fomos ao parque. O domingo foi piquenique no Tiergarden com seus amigos ingleses, australianos, americanos, bolivianos… só faltaram os alemães.

Depois, caminhamos até o Reichstag para ter uma vista geral da cidade. Aqui, o que mais me impressionou foi a quantidade de gruas, as vezes contava 5 ou 8 juntas. Nesta hora se vê que Berlim é uma cidade em construção. Comentava com meu amigo toda vez que via uma grua ou edifício em construção, ele não se impressionava tanto. Acho que quando as pessoas moram aqui já estão acostumadas a ver construções que se tornam indiferente a quantidade.

Caminhamos também pela Unter den Linden até a catedral de Berlim e a ilha dos museus. A cidade estava calma, era domingo e não tinha muita gente na rua. Um sensação um pouco estranha, a rua larga com edifícios grandes e bonitos: um vazio.

No dia seguinte, pela manhã, caminhei pelo Mitte, um bairro que ficava...

Leia Mais... / Read More...

Varsóvia

Em Moscou conheci um casal espanhol que não haviam gostado de Varsóvia, disseram que a cidade era muito moderna com prédios sem graça. Eu, ao contrário, adorei. Acho que para gostar ou não de um lugar depende muito das expectativas que se tem e também da experiência pessoal ai. Embora estivesse sempre nublado e eu não podia fotografar, passei bons momentos na cidade. Achei as pessoas bem educadas, muitos falavam inglês, não tive grandes problemas de comunicação e achei lindo o centro antigo. Para mim, não tinha nada de moderno ali, era como uma tranqüila pequena cidade.

No primeiro dia, fui ver uma sinfonia do Festival de Mozart no Palácio Real. Valeu não só pela música mas também pelo lugar, uma sala toda dourada com lustres enormes, parecia que tinha voltado no tempo mais de cem anos. Outro dos meus programas culturais foi ver um filme brasileiro com legenda em polaco. Fui ver “Abril despedaçado” de Walter Salles...

Leia Mais... / Read More...

Trem de Moscou – Varsóvia passando por Belarussia

Estava um pouco preocupada com a viagem de Moscou à Varsóvia, seriam 20 horas de trem. Comprei uma passagem de primeira classe pois são só duas camas. O problema é quem seria meu companheiro de cabine, já que quase todos os trem e metrôs que tomei sempre tinha um cara bêbado sentado ao meu lado. Fiquei imaginando em uma cabine, 20 horas tendo que sentir o bafo de bebida alcoólica… Tive muita sorte, não veio ninguém comigo, a cabine era só minha…

Na saída da Rússia e entrada na Belarussia ninguém checou passaporte. Na saída para a Polônia vieram conferir se eu tinha o visto de trânsito para a Belarrussia, que sim, paguei os 45 dólares e fiz fila na embaixada em Moscou. Todas as nacionalidades que passam de trem por Belarussia necessitam visto de trânsito, aqui se diz que é uma maneira do governo deles fazer dinheiro pois o visto não tem sentido nenhum.

O trem parou duas horas para eles revistarem os compartimentos...

Leia Mais... / Read More...

Klin – Museu do Tchaykovsky

Mais uma escapada de Moscou, desta vez queria ir a Klin pois havia lido que ai há um museu do Tchaykovisky. No albergue eles não sabiam informar nada: que trem tomar, quanto tempo levava, qual a freqüência, se o museu estava aberto todos os dias… Antes de ir a estação de trem passei num internet café para ver se conseguia algum informação. Nada. Os sites em inglês só diziam que há um museu em Klin, o que eu já sabia.

Foi um sufoco para tentar descobrir onde comprar o bilhete de trem. Depois de rodar toda a estação, perguntando a todos e mostrando um papel escrito Klin em russo, encontrei uma garota que falava inglês e me mostrou onde comprar o bilhete. Nunca acharia sozinha, tinha que passar por dentro de um bar para chegar na bilheteria.

Outro problema era saber quando descer do trem, muitas da paradas não tinham nome escrito ou só dava para ver o nome depois que o trem partia. Achei no trem um mapa das paradas e ia contando até chegar na minha...

Leia Mais... / Read More...

Sergiev Posad

Queria sair um pouco da cidade grande, decidi então conhecer um monastério em Sergiev Posad. Já gostei que no ônibus todos eram russos, eu era a única turista estrangeira. O difícil foi saber eu se estava no ônibus certo, pois eu não pronunciava direito o nome do lugar e eles não falavam inglês.

Para achar o monastério foi fácil, perguntava em qualquer língua, ou só dizia a palavra monastério e eles apontavam a direção. Não se paga para entrar, mas se paga uma taxa para poder fotografar. O lugar estava cheio, na maioria de russos, muitos que vão para rezar. Desta vez, não quis ficar em fila para entrar nas igrejas, já tinha visto as do kremlin e no final devem ser todas parecidas (não sou muito aficionada por motivos religiosos). Preferi sentar na sombra e ficar observando as pessoas passarem. Depois de um tempo comecei a fotografar os transeuntes.

Fotografei alguns monges que passavam...

Leia Mais... / Read More...